/* #region REDES SOCIAIS */ /* #endregion */
COMPARTILHE
26.05.2024

Conhecimento para a vida

Egressos da EFASERRA

Olhar para o passado da EFASERRA e ver que a semeadura tem despertado a realização pessoal e o sucesso de vários jovens é motivo de orgulho para a instituição e para quem nela trabalha, participa ou apoia. Ao conversar com os egressos, é possível sentir o quanto estão entusiasmados com as atividades agrícolas por eles desenvolvidas. A formação se transformou em oportunidade de vida. Veja alguns exemplos de quem se formou na instituição e se anima com o fazer que escolheu.

 A EFA como divisor de águas

Até ingressar na Escola, o jovem Gabriel Scherner Zanotto,  que concluiu o Ensino Médio com o estágio em 2017, não sabia qual profissão seguir. “A EFA foi um divisor de águas na minha vida”, constata. Ele conta que, conforme as aulas iam acontecendo, novos horizontes se apresentavam. “Abriu meus olhos”. Quando concluiu os estudos na Escola, teve a certeza de que queria investir e melhorar sua propriedade no município de Ipê, onde a família cultiva alimentos e erva-mate orgânicos. A partir da EFASERRA, buscou informações, ingressou na faculdade de Agronomia, construiu novas estufas e investiu em equipamentos para aumentar a produção. “Sinto que estou mais preparado para atuar. Participo de todo o processo, desde o plantio até a venda”, ressalta Gabriel. A meta é dar continuidade e ampliar a atividade que os pais começaram. Para isso já buscou novos mercados e passou a comercializar seus produtos na feira ecológica de Porto Alegre e em casas de produtos naturais. A família Zanotto também construiu e legalizou uma agroindústria, cujos produtos são entregues na Cooperativa Econativa, de Ipê. Para o futuro, Gabriel já sabe o que quer: “Quero continuar aqui”.

Gustavo Aurélio Dalle Molle também se formou em 2017 e atualmente trabalha, juntamente com os pais, na propriedade da família em São Luiz da Terceira Légua, Caxias do Sul, onde produzem uva, tomate e citros. “A EFA foi uma experiência muito boa. Mostrou como trabalhar de forma correta e despertou em mim o gosto pela agricultura. Não fosse a Escola, teria saído de casa”, revela o jovem. Ele diz, ainda, que passou a se interessar por mais conhecimento sobre as culturas e que a família passou a investir em novos equipamentos. “O trabalho ficou mais fácil e eu mais realizado”.

 “Hoje, percebo o quanto a escola foi importante”

Ana Júlia Dani é uma jovem ávida por aprendizado. Sempre apreciou o campo, mas a formação na Escola a fez buscar novos caminhos. Com o diploma em mãos, queria mais. A indicação de onde fazer seu estágio por uma de suas monitoras da EFASERRA lhe proporcionou ingressar na área de assessoria técnica a agricultores. Permanece na área, agora como técnica em agropecuária. “É um trabalho que amo. Poder ajudar os agricultores a fazer o manejo da terra corretamente, utilizar os insumos adequados e saber como combater as pragas são ações que me realizam profissionalmente”. E acrescenta: “Foi na EFA que aprendi a me comunicar, a perder o medo de falar, a me colocar no lugar deles (agricultores). Hoje, percebo o quanto isso é importante em qualquer profissão”, declara Ana Júlia.

Troca de experiências

O que mais impressionou o egresso Edgar Dal Pizol no curso da EFASERRA, foi a troca de experiências. “Ter a possibilidade de conhecer outras propriedades me ensinou muito”, diz o jovem. Atualmente, ele ajuda a família na produção de uva e de leite, na linha Müller, Terceiro Distrito, em Farroupilha, mas também trabalha no cultivo de hortaliças em outra propriedade do mesmo município. Teve a oportunidade de realizar um estágio na cidade de Latina, na Itália. Lá, ele aprendeu técnicas sobre o plantio de kiwi, cultura que já começou a implantar em uma pequena área de sua propriedade. “Aprendi como preparar o solo, a irrigação e, principalmente, como combater as doenças da planta, causa que fez muitos produtores de Farroupilha desistirem de cultivar”, explica Edgar. Ele reconhece que, se não tivesse frequentado a EFASERRA, não teria tido essa oportunidade, pois o estágio exigia formação técnica como pré-requisito. “Agora, pretendo continuar me aperfeiçoando e ingressar na área da agropecuária”, projeta o jovem agricultor.

Conteúdo produzido para publicação do projeto Juventudes e Saberes: Alternância que constrói, idealizado pela EFASERRA e viabilizado por meio do Termo de Colaboração FPE Nº 2564/2019, do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, através da Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR).